Por: Redação Notícia de Limeira | Publicado em 29 de setembro de 2020

Compartilhe

 Significativo, o número demonstra o quanto a estrutura tem sido fundamental no enfrentamento à pandemia em Limeira

 A Unidade de Referência Coronavírus (URC) já atendeu mais de 12.500 pessoas desde o início do funcionamento, em 13 de abril. Até ontem (28), os dados do sistema da URC mostram exatamente 12.509 atendidos no Pronto Atendimento (PA) e internados em leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

 Significativo, o número demonstra o quanto a estrutura tem sido fundamental no enfrentamento à pandemia em Limeira que, até o momento, não precisou transferir pacientes e todos que precisaram de assistência médica foram atendidos pela rede. A união de esforços entre o poder público e os hospitais privados do município (Santa Casa, Medical, Unimed e Humanitária) foi determinante para este resultado.

 Recentemente, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) citou que o município é “referência” no combate ao coronavírus – isso devido às inúmeras ações realizadas pela Prefeitura e que, em muitos casos, envolveu também os parceiros.

 Desde fevereiro, antes mesmo da declaração de pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o grupo técnico formado por médicos de todos os hospitais e a atual administração, já definia estratégias de combate e de atendimento da população.

 A URC começou a funcionar em espaço ao lado do Hospital Humanitária com 16 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com possibilidade de ampliação, o que ocorreu gradativamente, conforme o aumento da demanda. O levantamento dos atendimentos da URC mês a mês confirma a atenção ao cenário da pandemia no município.

 Com o aumento da incidência, todo o Hospital Humanitária passou a ser exclusivo para atendimento de casos de coronavírus. Hoje, são 41 leitos de UTI, 12 de suporte ventilatório e 48 leitos clínicos. Um Ambulatório de Referência ao Coronavírus (ARC) foi montado ao redor do hospital para atendimento de pessoas com sintomas mais leves. Agora, com a menor demanda, como mostram os números, o ARC passará a funcionar junto com a URC a partir desta quinta-feira (1).

 ATENDIMENTOS MÊS A MÊS

 No mês de abril, desde o dia 13, foram atendidas 162 pessoas entre o PA, enfermaria e internações. Em maio, foram 603 atendimentos. Nos meses seguintes, quando a cidade registrou o pico de contaminações, foram atendidos 3.104 pacientes em junho e 3.969 em julho.

 Em agosto, o número começou a diminuir (2.672) e, em setembro, até o dia 28, foram 2.082 atendimentos na URC.

 INTERNAÇÕES

 Desde o início da URC, 218 pessoas ficaram internadas em leitos clínicos. O mais jovem que precisou de internação clínica, e se recuperou, tem 24 anos. Nos leitos de UTI, até ontem (28), ficaram internadas 92 pessoas. A maioria idosa, mas também alguns jovens/adultos também precisaram de tratamento intensivo. Um homem de 19 anos foi o mais jovem a precisar de internação intensiva na URC.

 A internação mais longa na URC é de uma mulher, que está sob os cuidados dos profissionais de saúde da URC há 97 dias.

 Não houve internação de crianças por coronavírus.

 Atendimentos gerais na URC:

 De 0 a 8 anos – 4

 Dos 13 aos 15 anos – 104

 Dos 16 aos 20 anos – 608

 Dos 21 aos 30 anos – 2.494

 Dos 31 aos 40 anos – 2.893

 Dos 41 aos 50 anos – 2.358

 Dos 51 aos 60 anos – 1.919

 Dos 61 aos 70 anos – 1.249

 Dos 71 aos 80 anos – 575

 Dos 81 aos 90 anos – 264

 Dos 91 aos 100 anos – 41 (Da redação portal Notícia de Limeira)


Compartilhe

Comentários

comentários