Por: Redação Notícia de Limeira | Publicado em 18 de dezembro de 2020

Compartilhe

 Dezembro já registrou 307mm de chuva na cidade. Índice pluviométrico já é maior que a média histórica prevista para o mês

 Um dos grandes vilões para o bom funcionamento do sistema de esgotamento sanitário é a interligação, ou seja, a mistura indevida e irregular da água de chuva na rede de esgoto. A informação é da BRK Ambiental, concessionária responsável pelos serviços de água e esgoto em Limeira, que durante o verão, com a temporada de chuvas mais frequentes, alerta para uma maior quantidade de entupimentos das redes de esgoto, com elevado risco de ocorrências de transbordamento e retorno de esgoto na cidade. “O número de ocorrências nas redes de esgoto do município chega a ser 65% maior nos períodos chuvosos”, informa Rogério Lima, gerente de operações da concessionária.

 A ligação irregular da água de chuva na rede coletora de esgoto pode causar o transbordamento dos poços de visita (local de acesso às tubulações de esgoto) e, consequentemente, aumentar a possibilidade de retorno de esgoto nas ruas e nos imóveis, tendo em vista a força e o volume da água de chuva que entra na rede coletora de esgoto de forma incorreta.

 O gerente de operações esclarece que é importante os moradores de Limeira estarem informados sobre as consequências que uma ligação de água de chuva, interligada na rede de esgoto, pode causar na sua residência ou no seu bairro. “As redes de esgoto foram projetadas para receber, exclusivamente, o efluente proveniente dos banheiros, pias, tanques e cozinha. Quando a água da chuva é direcionada para a rede coletora de esgoto há o comprometimento de todo o sistema de coleta e tratamento, assim como prejuízos para toda a comunidade local”, diz.

 Essas ligações inadequadas – muitas vezes causadas por desconhecimento da população – são proibidas por lei e passíveis de punições. No Brasil, onde há grande volume de chuvas, especialmente no verão, é proibido lançar água pluvial nos ramais de esgotos. No Estado de São Paulo, o decreto 5.916/75 determina essa regra. Por isso, é necessário que os imóveis tenham duas saídas, separando assim a água da chuva dos esgotos gerados na residência. “Toda a água de chuva das residências deve ser encaminhada e lançada na guia da rua”, reforça Lima.

 O início do verão – a estação mais chuvosa do ano – na segunda-feira (21), reforça a necessidade de atenção para o tema. Neste mês, Limeira já registrou 307 milímetros de chuva, de acordo com o índice pluviométrico monitorado no Rio Jaguari (captação do município) e na Estação de Tratamento de Água (ETA). Em quinze dias, a precipitação registrada na cidade já é superior à média histórica, de 211mm, calculada pelo Portal de Meteorologia do Climatempo, com base no comportamento da chuva em dezembro ao longo dos últimos 30 anos em Limeira.

 Para orientar a população sobre o tema, a BRK Ambiental disponibiliza informações no blog Saneamento em Pauta. No link – https://blog.brkambiental.com.br/chuva-e-esgoto-nao-se-misturam/ – você encontra detalhes e ilustrações didáticas sobre o assunto. No perfil da BRK Ambiental no YouTube você também pode assistir a um vídeo explicativo sobre o tema. E para qualquer outra necessidade relacionada a esgoto, a empresa disponibiliza atendimento 24 horas pelo telefone 0800-7710001. (Da redação portal Notícia de Limeira)


Compartilhe

Comentários

comentários